Viajar é derrubar fronteiras

Thumb Viajar é derrubar fronteiras

Viajar é derrubar fronteiras

Viajar não é apenas lazer, mas também aprendizado.
E se for para outros países, então, aí é que você terá chances de ampliar os benefícios de viajar.
Significa conhecer outros povos, outros costumes, outras culturas, outras visões de mundo.
Isso significa aprendizado com diversão, ou seja: a melhor receita para aprender as coisas.
Ao viajar você expande a sua visão de mundo porque passa a ter visão ampliada de como são as coisas e de como as pessoas se comportam. E se é verdade que vai identificar diferenças nos comportamentos das pessoas em relação ao que acontece em seu país de origem, vai aprender a identificar também em que elas são iguais ou parecidas.
NYork

Viajar também é uma forma de facilitar o aprendizado de um idioma, expandindo a possibilidade de você utilizar um dos métodos mais importantes para esse tipo de aprendizagem: a imersão.
Especialmente se você já conhece ou tem uma base razoável desse idioma estrangeiro, vai perceber o quanto o fato de ouvi-lo constantemente vai melhorar sua performance. E seguramente irá ficar muito mais afiado para falar com desenvoltura.
Viajar é um santo remédio para quem está cansado de rotinas, começa a achar a vida monótona ou sem graça. A menos que, por algum motivo, você tenha que ficar preso num quarto de hotel, viajar nunca significará tédio.

Afinal, tudo é novidade, porque os lugares são diferentes, as pessoas também. E também as comidas e os costumes.
Foz

Viajar é romper as barreiras ao seu conhecimento. É derrubar fronteiras do desconhecido ou mesmo do indecifrável. E também uma forma de conhecer melhor o seu próprio país.
E isso acontece de duas formas, obviamente: se você viaja dentro do seu próprio país, por cidades, vilarejos ou Estados que ainda não conhecia. E se viaja ao exterior, quando terá uma noção mais precisa do que é necessário mudar ou melhorar no país onde você mora.
Há pessoas com mente limitada ou embotada que acreditam que amar o seu país é fingir que não existem defeitos ou problemas em seu país de origem. Ou que encaram o fato de reconhecer ou apreciar as qualidades de um país estrangeiro como um sintoma de falta de patriotismo ou outra bobagem qualquer.
Mas esses são os estúpidos, que provavelmente nunca sequer viajaram. Vamos deixá-los na infinita ignorância em que estão mergulhados.
Especialmente num mundo cada vez mais globalizado, em que as facilidades e o poder dos transportes e da informação contribuem tanto para encurtar distâncias, apreciar e valer-se dessas facilidades é sobretudo um ato de inteligência.
cultura diferente

Surge agora a questão do preço. Mas isso, evidentemente, depende de muita coisa, além da sua própria situação financeira.
Propagar que uma viagem tem que sair sempre muito cara é um truque muitas vezes utilizado pelas empresas de turismo na tentativa de justificar preços altos.
Mas é lógico que viajar pode sair mais barato do que essas agências dizem. E você pode até duvidar, mas muitas vezes viajar a um país estrangeiro pode ficar até mais barato do que viver em seu próprio país, ao optar, por exemplo, por países com um custo de vida menor, o que hoje em dia está ficando cada vez mais fácil de encontrar.
E lembre-se: custo de vida menor não significa obrigatoriamente qualidade de vida pior. Há países na Ásia e até na Europa em que o custo de vida é mais baixo do que no Brasil.
Mas deixe essa ilusão de que viajar “é sempre caro demais” para os ignorantes que já mencionamos.
Para você, o que temos a recomendar é que viaje.
Viajar

Muita coisa pode ser facilitada sabendo escolher o destino, que tipo de transporte e hospedagem vai usar e valendo-se ainda do fato de que, em muitos países, haverá inclusive a possibilidade de que você possa exercer alguma atividade que lhe permita cobrir ao menos parte das despesas.
Então, proceda como as pessoas inteligentes como você sabem fazer: pesquise.
E só podemos dizer mais uma coisinha: boa viagem!!!

Envie seu comentário:

Você também pode gostar: